Atrônomos Brasileiros Descobrem dois Exoplanetas

Astrônomos brasileiros descobrem dois exoplanetas
Astrônomos brasileiros descobrem dois exoplanetas

Uma equipe de cientistas liderados por astrônomos da USP, descobriram dois exoplanetas em uma estrela gêmea do Sol.

A descoberta foi publicada na revista Astronomy & Astrophysics e é muito relevante para a astronomia, pois a um dos planetas é possivelmente um planeta rochoso com cerca de 3 vezes a Massa de nosso planeta, ou seja uma Super Terra. Daí a relevância, uma super terra encontrada na orbita de uma estrela similar ao nosso Sol.

Mas a pesquisa liderada pelo Astrônomo Jorge Melendez, professor do Instituto de astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP, traz muito mais aspectos interessantes sobre o sistema solar.

A estrela pesquisada é a HIP 68468. Essa estrela faz parte de um conjunto de 63 estrelas gêmeas ao Sol que estão sendo observadas pela equipe brasileira.

A estrela HIP 68468 fica a cerca de 300 anos luz da Terra. Olhando para o céu esta estrela fica na direção da Constelação de Centauro.

Foram descobertos dois planetas, um gigante gasoso com características de ser um Super Netuno, e outro exoplaneta rochoso, com cerca de 3 vezes o tamanho da terra.

A primeira coisa que chama a atenção, é com relação as proximidades desses planetas a sua estrela.

O Super Netuno chamado de HIP 68468c  com aproximadamente 26 vezes a massa da Terra, está a apenas 98.734.595 km de quilômetros de sua estrela. É mais ou menos a distancia entre o nosso planeta Vênus com o Sol.

É muito improvável que um planeta Gasoso deste tamanho tenha se formado em uma órbita tão próxima. Acredita-se que inicialmente ele tehha se originado em uma órbita mais externa e por alguma razão se deslocou para uma órbita mais próxima de sua estrela.

A super terra chamada de HIP 68468b esta ainda mais próxima de sua estrela, está a incríveis 4.487.936 km de quilômetros. Para se ter uma o planeta Mércurio, que é o nosso planeta mais próximo ao Sol está a 57 milhões de quilômetros de distância.

Além das órbitas muito pequenas, há indícios de que a estrela HIP 68468 tenha devorado um planeta. Os cientistas sugerem isso devido a quantidade de lítio apresentado na estrela. Ocorre que este elemento é destruído gradativamente em estrelas devido  a altas temperaturas. Porém o lítio permanece em planetas com temperaturas muito mais baixas. A HIP 68468 apresenta cerca de 4 vezes mais lítio do que o esperado para uma estrela de sua idade. Em outras palavras, a quantidade de lítio sugere que a estrela tenha devorado um planeta. A HIP 68468 tem cerca de 6 bilhões de anos.

Observatório Europeu do Sul - ESO, localizado - Chile
Observatório Europeu do Sul – ESO, localizado – Chile

O estudo foi realizado após os astrônomos “seguirem” a estrela por 43 noites ao longo de quatro anos. Foi utilizado um telescópio do Observatório Europeu do Sul – ESO, localizado no Chile.