Indícios de uma grande civilização na Amazônia

Indícios de uma civilização antiga da Amazônia

Uma pesquisa financiada pela National Geographic e liderada pela Universidade Exeter do Reino Unido, com participação também da Universidade Federal do Pará, o INPE e a Universidade do Estado do Mato Grosso, revela indícios da existência de uma antiga civilização que viveu na Amazônia.

De regra geral as grandes concentrações de povos que surgiram em nosso mundo prosperaram ao longo da margem de grandes rios ou próximos de litorais. Sendo assim o primeiro ponto de partida para pesquisar por comunidades antigas era buscar evidências nesses locais. Talvez por causa disso, os rastros deixados por um antigo povo que viveu na Amazônia ficaram ocultos por tanto tempo.

Até alguns anos atrás, pensava-se que a densa floresta amazônica era intocável e dificilmente abrigaria uma civilização.

Floresta Amazônia – O Mistério da Antiga Civilização

Essa ideia começou a mudar no final da década passada quando o desmatamento e fotos aéreas começaram a revelar estranhos desenhos no solo da amazônia.

As estranhas figuras chamaram a atenção de diversos pesquisadores brasileiros e de outros países. Quanto mais se estudava mais ficava claro que estes estranhos desenhos eram indícios de um antigo povo que viveu na Amazônia.

Agora a publicação de um novo estudo, liderado pela universidade Exeter do Reino Unido, começa a apresentar novas pistas sobre essas pessoas que viveram por aqui a cerca de 800 anos.

Foram encontrados restos de aldeias fortificadas e misteriosos desenhos formados por escavações.
Esses desenhos são chamados geoglifos. Foram descobertos geoglifos quadrados, circulares ou hexagonais.

Ninguém sabe o propósito dessas escavações, alguns pesquisadores sugerem que alguns geoglifos eram cenários para algum tipo de ritual.

 

 

Além das manipulações no solo foram encontrados restos de carvão e cerâmica que possivelmente foram utilizados por estas pessoas.

Boa parte dos achados foram descobertos em Mato Grosso, Rondônia, Amazonas, Roraima, Amapá, Pará e parte do Peru e Bolívia.

Os pesquisadores sugerem que ainda há muito a ser descoberto pois não existe um estudo científico deste tipo em boa parte da região Amazônica.

Acredita-se que os habitantes viviam em vilarejos fortificados. Cada vilarejo podia abrigar até 1500 pessoas. É possível que no total de acordo com estimativas, esta antiga civilização pré-colombiana pode ter tido entre 500 mil a um milhão de pessoas.
Eles viveram na Amazônia por volta dos anos 1.250 a 1.500 da EC.

Para se situar no tempo, neste mesmo período na Europa o mundo estava dando os primeiros passos para sair da era medieval. As Cruzadas já haviam acabado e surgia por volta do século XIV a temível “Peste Negra” que matou milhões de pessoas pelo mundo.
No final do século seguinte dá-se início a grandes navegações, é justamente neste ponto do tempo, que o antigo povo amazônico desaparece.

As grandes questões que ficam são: Quem eram essas pessoas? Que língua falavam? Como eram os seus costumes? De onde vieram? E principalmente o que levou a sua extinção?