Microsoft Grava Dados em DNA

Microsoft Grava Dados em DNA
Microsoft Grava Dados em DNA

Desde os disquetes, vimos várias inovações em dispositivos de gravação de dados. Passamos por ZipDrive, CDs, Dvds, Blu-rays, cartões de memória e Pen drives.

E não precisa ser nenhum gênio para saber que a fúria por mais espaços de armazenamento irá continuar. Então como serão os dispositivos futuros para armazenamento de dados?

A resposta talvez seja um pouco inusitada. Que tal armazenar uma grande quantidade de dados de computador no DNA.

Pelo menos é nisso que pesquisadores da Microsoft em conjunto com a Universidade de Washington estão trabalhando. Eles conseguiram gravar cerca de 220MB de dados de computador em um DNA sintético.

 

Isso mesmo, os pesquisadores conseguiram demonstrar que a cadeia sequencial de código genético pode ser manipulada e utilizada como dispositivo para armazenamento de dados. Claro que não estamos falando de um DNA humano, mas sim de uma sequência genética manipulada em laboratório.

E porque utilizar o DNA?, porque em si, o DNA é uma sequência natural de armazenamento de informação biológica. Então, se converter a informação biológica em informação digital, teremos um eficiente repositório de arquivos de computador.

Além de tudo o DNA é extremamente eficiente no quesito durabilidade. Se guardado em lugar fresco e seco, pode manter os dados guardados por milhares de anos. E não há nenhum dispositivo eletrônico criado pelo homem até hoje que consiga chegar nem perto de uma fração disso. Quem já gravou dados em CD-Rom a mais de 10 anos sabe bem do que eu estou falando.

Os pesquisadores conseguiram gravar e extrair do DNA 220MB de memória. Foram gravados exatamente 100 livros clássicos da literatura, a Declaração Universal de Direitos Humanos traduzida em várias e línguas, e um clip musical da banda OK-Go.

Todo esses dados foram gravados em um tubo de testes muito menor que a ponta de um lápis. De acordo com Karin Strauss, pesquisadora-chefe da Microsoft, se pegássemos todo o conteúdo publicado na Internet hoje, todos os sites, arquivos de textos, programas, fotos e arquivos de vídeo. Toda essa informação se gravada no DNA, ocuparia um espaço equivalente ao de uma caixa de sapato. Imagine, todos os arquivos da Internet contidos apenas neste espaço.

Dados em DNA
Dados em DNA


COMO FUNCIONA?

Mas como a informação de computador é gravada no DNA?

Vamos lá funciona assim:

Se você não dormiu nas aulas de biologia, aprendeu que o DNA é constituído por quatro bases químicas, a Adenina (A), Citosina (C), Guanina (G) e timina (T). Para facilitar, essas bases são tratadas por letras, A,C,G e T.

Enquanto isso, arquivos de computador são formados apenas por 0 e 1. Daí basta criar um esquema de tradução que converta parzinhos de 0 e 1 em cada uma das letras.

Tendo então por exemplo um arquivo digital de uma foto. basta converter a sequência digital de zeros em uns da imagem em uma sequência de bases químicas.

Tendo esta sequência química, cria-se o DNA sintético.

Depois para obter novamente os dados que foram gravados no DNA, basta fazer o processo inverso.

Lê a sequência química, e depois converte novamente em 0 e 1.

E finalmente temos a foto de volta.

OUTROS USOS

Além do armazenamento de informação, os cientistas demostraram a possibilidade de manipulação de uma grande quantidade de informação no DNA. Quem sabe os avanços ou coisas bizarras que podem surgir desta técnica em um futuro próximo.