O Brasil vai enviar missão à Lua – Saiba como será a GARATÉA-L, A primeira missão lunar brasileira

Brasil vai a Lua

GaratéaL Missão Lunar

GARATÉA-L! Esse é o nome da primeira missão lunar brasileira.

Trata-se de um nanosatélite que será colocado na órbita da Lua em 2020. Este satélite terá dois objetivos principais:

  • O primeiro deles logicamente é a pesquisa lunar.  O nanosatélite terá uma órbita altamente excêntrica. Com isso poderá dar vôos rasantes sobre o polo sul da Lua. A intenção é se concentrar numa região da bacia Aitken. Essa região fica no lado oculto da lua. É nesta região onde se encontram crateras que abrigam gelo de água. Portanto esta região lunar é de grande interesse científico, não só para as pesquisas brasileiras, mas como também para futuras expedições tripuladas a Lua. Para obter as fotografias, A missão Garatéa-L irá contar com uma câmera de alta resolução que captará imagens em diferentes comprimentos de onda. Essa câmera tem tecnologia nacional e é desenvolvida pelo INPE.
  • Mas não para por ai! Esse é apenas um dos estudos. O outro objetivo da missão é Estudar os efeitos da radiotividade extrema do espaço profundo sobre a vida. Para fazer isso, será enviado dentro do nanosatélite diversas colônias de microorganismos vivos e moléculas. Esses organismos ficarão expostos a radiação cósmicas do espaço por vários meses. A intenção é entender como a vida pode lidar, ou até mesmo sobreviver, a condições de muito estresse, como é o caso da órbita lunar. Entender o comportamento da vida nessas situações, será de grande importância para futuras explorações no espaço realizada por humanos, seja para expedições a Lua como também para outros planetas.

Além dos microorganismos também serão enviados amostras de células humanas.

Em suma esta missão tem por essência, investigar dois momentos distintos da vida na Terra. O seu passado e o que nos espera para o Futuro.

DE QUEM É O PROJETO?

Essa missão é composta por um time de peso envolvendo cientístas, engenheiros e as principais instituições academicas e tecnológicas do país.

A Missão é coordenada pela empresa AIRVANTIS, tendo como gerente do projeto, o engenheiro espacial Lucas Fonseca. Lucas Fonseca trabalhou na agência espacial Europeia a ESA, onde esteve envolvido com projetos como a missão Rosetta. Aquela histórica missão que pousou uma sonda em um cometa.

O principal Cientista da Missão é o Douglas Galante do Síncrotron

Entre algumas instituições participantes temos:

  • O INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais);
  • O ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica);
  • A USP (Universidade de São Paulo);
  • O Síncrotron (Laboratório Nacional de Luz Síncrotron);
  • O Instituto Mauá de Tecnologia;
  • A PUC entre outros.

Ao todo são 14 organizações participantes do projeto.

 

CUBSATS

O Satélite que será enviado pelo Brasil é um nanosatelite, também conhecido como cubsat. Cubsats são satélites menores, que só são possíveis hoje em dia devido a evolução tecnológica.

Garatea L CubsatFora os painéis solares solares o satélite tem 10 centímetros de largura por 20 de comprimento. Cada Asa de painel solar possui 30cm. O diâmetro total do Satélite é de 80cm e pesa 7 kilos e duzentos gramas.

Em 2020 uma missão em parceria de duas empresas britânicas, mais a Agência Espacial Europeia e a Agencia Espacial do Reino Unido irão colocar na órbita da Lua diversos cubsats, e entre eles o cubsat brasileiro.

Os satélites serão levados por uma Nave mãe. Será esta mesma nave mãe quem fará a ponte de dados entre os satélites e a Terra. O tempo previsto de funcionamento é de 6 meses.

Garatea L CubsatO satélite brasileiro e toda a instrumentação tem que estarem prontos até setembro de 2019. E o maior problema para atingirmos essa meta não é tecnológico. É Algo digamos um pouco mais complicado. A captação de dinheiro!

O custo estimado do projeto é de 35 milhões de reais, que estão sendo levantados junto a órgãos especializados e patrocínio privado.

Mas vamos ser confiantes, tudo dará certo sim! Afinal um projeto como esse no país, trará grandes benefícios a médio e a longo prazo. Benefícios tanto tecnológicos, como também culturais. Afinal, isso dá um Up! Dá uma levantada de moral em nós brasileiro, principalmente pelos últimos anos do Brasil, tanta notícia ruim. E aí, surge essa missão que mostra que o Brasil é capaz! O brasileiro também pode almejar grandes conquistas. Imagine o quanto as novas gerações vão poder se inspirar nesse projeto e daí quantos novos astrônomos, biólogos, engenheiros, enfim, parabéns pelo projeto e vamos em frente rumo a conquista do nosso espaço no espaço!

GARATÉA-L

O nome Garatéa mostra a essência das pesquisas de astrobiologia da missão. O nome vem do tupi-guarani e significa “busca-vidas”. O “L” acrescentado ao nome é de Lunar, Ficando então Garatéa-L.

Esse post é apenas uma introdução ao projeto, logo faremos outras matérias atualizando o status da missão. Para você saber mais e ficar mais por dentro do projeto, eu sugiro acompanhar o canal Mensageiro Sideral do Salvador Nogueira, que inclusive Salvador Nogueira é o responsável pela comunicação pública da missão, então quer se o primeiro a saber? Lá é a fonte!
E você também pode obter mais informações diretamente no site oficial da missão, eu vou deixar os links na descrição deste vídeo.

Por hora, já estamos felizes de saber que logo entraremos para o seleto grupo de nações que contribuem com pesquisa no espaço profundo para toda a humanidade!